Meti no cuzinho virgem da minha sobrinha n mata

Publicado por: joelson em 16/07/2019
Categoria: Confissão
Leituras: 2844 / Votos: 2 / Comentários: 0
Olá esse fato aconteceu a um ano e meio atrás aqui mesmo em SP eu tenho uma sobrinha se chama Ana Luisa na época ala tinha 16 pra 17 anos filha da cunhada da minha mulher enfim, ela tem um namorado inclusive ele trabalha na mesma empresa que eu, de vez enquando fazemos churrasco aq na minha casa z/n veio ela e os parentes dela, mas o boi do namorado dela não veio azar dele rsrsrs e depois nós de vez em quando alguns parentes e eu íamos fazer trilha na mata precisamente na Cantareira pra aqueles lados tem piscinas cachoeiras naturais, como teve festa um dia antes e foi até altas horas ninguém quis ir fazer trilha só fomos ela e eu como eu disse ela tinha 16 anos mas ela era é uma menina bem definida linda corpo lindo uma bela de uma bunda peitos e coxas bem contornados definidos, ela e uma menina bem simpático e estrovertida
trocavamos bastantes ideias e dificilmente algumas sacanagem, tbm pelo zap, tinha vez que eu podia minha mulher pensando nela eu morria de tesão por essa nifa, então saímos cedo fomos pra mata fazer trilha como estáva muito calor ela foi de shorts enfiado no rabo e mostrando a polpa da bunda aquilo já me deixava com tesão danado, como eu conheço várias trilhas na mata fomos em uma q não passa quase ninguém como e um caminho estreito tem q ir um na frente e outro atrás ela na minha frente e claro eu não conseguia tirar o olhar daquele rabo gostoso dela, ela de vez enquando dava umas olhadas para trás e sorria aquilo me provocava mais ainda, conversamos fomos indo aí chegamos em uma das cachoeiras como era cedo não tinha ninguém como estáva calor ela entrou na agua com roupas e tudo eu logo dps tirei a camisa e o calção fiquei só de cueca   entrei tbm ela com aqueles gritinhos aí a água esta fria tiu jogando água em mim eu agarrei ela por traz segurei ela nos braços e na cintura dela e ela me solta me solta tiu deixa de ser safado!! meu pau já estava começando a ficar duro quase saltando pra fora aí ela se soltou e correu lá para as pedras, aí dei mais um mergulho fui pra lá também nessa hora ela estava tirando o short pra torcer e ela aí tiu vai pra lá está vendo que estou quase pelada não ela só de blusinha rora mostrando os biquinhos dos peitos médios e calcinha branca enfiada no rabo parei e olhei contemplando aquilo tudo falei putz Luísa vc está uma delícia de gostosinha ela sorrindo falando vc e muito tarado deixa está a tia Karen saber disso tá e ela olhando pro meu volume aí tomei rápido o short das mãos dela e corri ela me dá meu short tiu filudaputa falei quer vem pegar mesmo então tem que dar um beijo antes ela não isso não tiu !! tá bom aí veio e me deu um beijo no rosto falei não não filhota na boca entendeu aí ela falou vc está de sacanagem mesmo safado!! falei sim vem ela veio encostei ela na pedra aí eu agarrei ela comecei a beijar ela deu umas devaciladas querer sair aí continuou me beijando chupando a língua dela peguei na cintura fui apertando a bundinha e ela gostando aquele gemidinho falando vc e louco tio para com isso aí vai chegar gente aqui falei tô nem ai virei ela de costas pra mim acoxando aquela bundinha toda repiada meti as mãos dentro da calcinha fui abolinando aquela bucetinha quente molhada raspada ela disse nossa q delicia tio puta q pariu pará com isso meu, ai virei coloquei ela sentada na pedra abrir as pernas dela tirei a calcinha minúscula vermelha de lado comecei a lamber e chupar aquela bucetinha ela segurava minha cabeça e gemendo falando isso caralho porra chupa tiu parà não q tá gostoso eu abria bem as pernas dela e a buceta enfiava a língua chupava e ela mordendo os lábios me chingando de tarado filudaputa e outros nomes gozando na minha boca aquele líquido salgadinho, falei vai chupar meu pau agora sua putinha me levantei e tirei a cueca eu pegava o meu pau batia na cara dela falava nossa que pauzão ela com aquele sorrisinho de puta falei engole minha piroka sua putinha ela socava minha piroka de dezoito e meio cm dentro da boca até engasgava e tirava aquilo me alucinava de tesão falei quero t fuder sua putinnha do caralho falava pra ela vc quer essa rola todinha na sua grutinha quer ela só balançava a cabeça q sim, aí falei fika de quatro coloquei minhas roupas no chão pra ela se ajuelhar dei mais umas chupada na buceta e no cuzinho dando uns tapas no rabo dela rebolando peguei uma camisinha na carteira encapei o boneco pós o pau dentro daquela buceta quente e apertada ela falando aí tiu isso fode gostoso não Pará tô gozando segurava ela pela cintura socava com força sem dó falava toma sua puta engole meu pau nessa grutinha quente molhada por uns sete oito minutos meti fundo falei vou gozar na sua boca cadelinha filadaputa ela falava vai dar leitinho tiu tirei a camisinha rápido ela se virou dei uns cinco jatos de porra grossa na boca e no rosto dela, o que caia fora no rosto limpava com o dedo e ponha na boca dela pra ela lamber, ela continuou chupando minha piroka dura falava pra ela gostou putinha quero comer seu cuzinho apertado sua cachorra, ela aí não sei tiu nunca dei meu anelzinho não sei se aguento e grosso de mais seu pau, falei vc aguenta sim putinha vou por com carinho ela meio reciosa ficou de quatro de novo pra mim apoiada com as mãos na pedra abria a bundinha dela falava pisca esse cú pra mim sua nifeta safada aquilo me deixava maluco comecei a chupar sua bucetinha e cuzinho e mexia no seu grilo enfiava os dedos na buceta e no cuzinho ela aí ai tiu mexendo com a bunda, peguei outra camisinha coloquei no meu pau dei umas guspidas no seu anelzinho ela falava aí tiu vai de vagar tirei a calcinha branca dela dei umas pinceladas focei umas três quatro vezes aí entrou a cabeça esperei um pouco pra ela acostumar fui pondo de vagar, dava pra ver a carinha dela de sofrimento ficava aí tiu ufa aí aí ai ufa tiu de vagar Pará Pará caralho tá doendo e ardendo porra, aí que dava tesão mesmo, ali com certeza àquele cuzinho era virgem era muito apertado nunca levou pau era muito apertado mesmo, enfim quando coloquei tudo comecei a bombar crescendo o ritmo ela gemendo falando palavrões teve um momento que ela falou vou falar pra tia Karen q vc me arrombou toda filudaputa aí que eu podia falei vai falar é então toma sua cadela meus bagos batia com cada estocada na buceta segurava ela pelos cabelos metia com força ela era meia branquinha ficou vermelho tanta de eu dar tapas sem dó isso por uns seis minutos falei vou encher seu cuzinho de porra sua vadiazinha puta cadela safada gostosa gozei dentro do rabo enchendo a camisinha de porra esperei um pouco meu pau dentro dela ela falando aí tiu vc me regaçou falei vc mereceu safada vc quer mais não nao tiu vamos embora demos um longo beijo pulamos na água novamente recopomos exausto e voltamos pra trilha.


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto