A Primeira Inversão De Papeis

Publicado por: morenodiscreto em 17/09/2020
Categoria: Fetish
Leituras: 203 / Votos: 1 / Comentários: 0
 A primeira inversão 


 2015, 25 anos, casado, uma filha, um casamento perfeito ao modo padrão de hoje dia. Mas isso era  alguns anos atrás. Não  hoje. Eu e minha ex-esposa tínhamos um casamento "aberto" eu tinha a fantasia em ver ela com outro homem, transando, se esfregando com outro, de início a fantasia era apenas assistir, mas passando o tempo, várias homens, comecei a participar do ato, dupla penetrando, ela chupando um e dando para outro, e foi indo assim por alguns meses até que em uma transa dessas, ela ordena;

 Vem cá, quero que você  chupe o pau dele, quero que você baba no pau dele, e deixe bem babado para ele socar na minha buceta. 

De cara eu fiquei olhando para os dois, mas bêbado, com tesão, quase gozando fui para mais perto do cara, que era branco, alto, uns 1,80 de altura, forte, ele era policial, pau de uns 18 centímetros. 


Vem corno, vem chupar meu pau,  essa putinha está mandando.


Ela pega firme nos meus cabelos e me faz colocar a boca no pau dele, comecei chupando devagarinho, só  a cabecinha, ela empurrava minha cabeça querendo que o pau dele entrasse mais na minha boca, e foi indo, engasguei  babei, ele socava na .inha boca, eles me chamavam de corno, ela em uma mão se masturbava, com a outra forçava minha boca boca no pau dele, e ele com uma mão  no seios dela e a outra com um vibrador na boca dela… quando me dei conta ele já estava gozando na minha boca, escorria porra por todo conto da minha boca, ela ria, e gozou  se tocando. 

  Minha primeira vez com um pau na minha boca, e ainda babei, chupei com vontade, e fiz ele gozar na minha boca. Senti tesão, gozei chupando  o pauzão dele. Enfim Gostei de chupar uma piroca. Estávamos todos bêbados, não  tocamos no assunto por um bom tempo, nada de falar o que aconteceu,  em de falar da próxima  aventura, mas isso não  saia da minha cabeça. A gente tinha uma amizade bacana com os caras que minha Ex saia, trocávamos ideias e tudo mais, bebia juntos. Até que o Policial da última transa, do pau que eu chupei me mandou mensagem. 


" E ai cara beleza, estou mandando mensagem para te pedir desculpas com o ocorrido da última vez, eu não  tive a intenção, mas estávamos todos loucos, excitados, sua esposa mandou, você  veio, rolou e tudo. Percebi que ficou um clima chato depois desse dia, pois não me chamaram mais. Se foi esse aí o motivo, vamos esquecer tudo que aconteceu, e não quero perde a amizade de vocês." 


Eu não  sabia o que responder para ele, eu entendo o que aconteceu, e tendo o que ele passa, e está  imaginando, o pior é  que gostei, gostei de chupar  o pau dele, gostei de ter uma rola na minha boca, gozando, pulsando, me senti naquele momento que sou bi, sim bi, sou louco por buceta, apaixonado por assistir uma buceta sendo fodida, e amo uma piroca. Mas como falar isso para ele, e para minha ex? (Naquela época ainda esposa, terminamos por uma discussão séria de família, nada com nossas aventuras e etc…) Seu eu aceito a desculpa, nunca mais iria chupar  aquele pau, se eu conto para ele a verdade não  sei o que ele acharia, ou minha ex, era tudo confuso, a única  coisa que eu tinha certeza era que eu queria mais uma vez sentir um pau na minha boca. Criei coragem e respondi. 


" Então amigo, relaxa, aquele dia foi quente, intenso, louco, e gostoso, eu entendo você, mas o importante é  o que você  sentiu, se gostou, se curtiu é  o que importa, mas se não, achou estranho, ruim, avisa que não faremos novamente. E dei uma risada no final. "


Achei que fui o mais sincero possível, sem deixar claro que amei chupar  o pau dele e que queria novamente. Então ele retornou rapidamente. 


" Cara que bom, achei que teria abusado de você  e tal, mas fico mais tranquilo você  me dizendo isso, eu nunca tinha sido chupado por outro homem nem chutado também, mas confesso que curtir, e se na próxima vocês  quiserem repetir sem problemas." 

Então me abri com minha ex, falei para ela, primeiro perguntei o motivo dela ter feito e incentivado aquilo, queria saber se ela tinha tara de me ver chupando  uma pipoca ou de algo mais. 


Amor, queria te pedir desculpas pelo que te fiz passar, desculpas, eu estava bêbada, com tesão louco e fiz você  chupar o pau dele. Fiquei meio assim depois daquele dia, que bom que veio falar comigo, eu tenho uma tara louca que sempre tive medo de me confessar. Eu tenho vontade de fazer inversão em você, eu nunca fiz, mas vi  alguns vídeos, fotos, contos sobre o assunto, e fiquei muito excitada, gozei, imaginando eu te comendo, você  chupando  um consolo  nosso, e tudo isso. Pronto desabafei. 


Ela abaixou a cabeça, ficou com vergonha, abracei ela, disse que entenderia a fantasia dela do mesmo jeito que ela entendeu a minha quando eu a contei. Mas no fundo queria ter falado o quanto adorei saber disso, que queria logo marca outro encontro com o pauzudo para chupar ele. 

 Nossa amor que delicia, deveria ter me contado antes, sempre tive a curiosidade de saber mais sobre isso, adorei a ideia. Podemos iniciar, acho que vai ser maravilhoso. 


Sério mesmo foxuxo. Não está  com raiva de mim? Imaginei que sentiria raiva, nojo. Que bom então, você  me dizendo isso fico mais excitada ainda, e percebi que você  gostou de chupar  a rola dele, até  babou, seu safadinho. 


Vou confessar que foi diferente, faria novamente por você, nas mesma circunstâncias, você  mandando. (Risos)


Aí que safado, me da sua mão. 


Ela puxou minha mão, e colocou por dentro da sua calcinha, a buceta dela estava tão molhada que escorregou 3 dedos dentro dela muito fácil, eu tocava ela, sentia o mel da buceta dela escorrendo em meus dedos, deitei ela na beirada da cama, tirei a roupa dela, joguei no chão, e  dois dedos, três  dedos, quatro dedos. 

 Aí, aí, nossa minha buceta, está me arrombando seu filha da puta, está me alargando, aí que gostoso, isso enfia essa mão  em mim, enfia, nossa. 

Fiz ela gozar loucamente, gostou tanto que molhou toda a cama e o chão, jorrou na minha cara, e pedia mais, ela gozou várias vezes assim, molhando tudo. Foi maravilhoso, delicioso, transamos gostoso demais. E passaram alguns dias, tudo voltou ao normal e ficou mais agradável nosso relacionamento. Até  que ela"


Amor, vamos para o motel hoje, quero muito dar para você  no motel, poder gritar e quem sabe realizar minha fantasia. 


Humm, que delicia, adorei, vamos sim, passo aí e te pego no trabalho então.  


Faz assim, me pega no sexshop que tem ali na rua de cima, pode ser? Quero comprar umas coisinhas para hoje.

Que safadinha, claro. Te pego la. 

Local combinado, frente do sexshop, ela vem dona animada, com uma sacola imensa. Ela estava linda, usava um vestido curto, colado, sem sutiã, bem safada, gostosa. 

Caralho amor  foi trabalhar assim sua salada? 


Claro que não bobo, levei minha roupa e me troquei na saída sem ninguém ver. Gostou? Tudo isso para você. 


Ela é  linda, loira, baixinha, uma boneca, cabelos cacheados, seios durinhos, não  muito grande, mas deliciosos, uma banda durinha e gostosa e uma buceta perfeita, rosa, cheirosa, lábios da buceta dela na medida certa, e um bigodinho que deixava ela incomparável. Perfeita. 

  Então  ela abriu as pernas, estava sem cozinha, buceta ali me esperando, cheirosa, tentei passar a mão, beijar  mas ela não  deixou, que hoje seria diferente. 

 Já  no motel.


Amor, você  está linda maravilhosa, vou tomar um banho rapidinho, me espera aí na cama, pede um espumante  delicioso que gostamos, vinho, o que quiser. 


Também sábado, vou pedir  vai lá tomar banho, mas antes, comprei uma coisa que eu queria que você  usasse para mim, pode ser? Por favor, é estranho eu sei, mas faz parte da minha fantasia, eu entendo se não quiser, é  um acessório, se não  quiser continuamos sem ela. 


Ela? 


Isso, toma aqui está  nessa sacola, vai tomar banho, quando acabar você decide se usa ou não.  


Peguei a sacola da mão  dela e fui tomar uma ducha, o motel era dúplex, o tinha chuveiro embaixo  e uma banheira em cima com teto. No banho, abri a sacola, quando eu vi o que era, fiquei hipnotizado, não sabia se sentia tesão, raiva, desejo, ou o que. Era uma calcinha fio dental, minúscula, preta, era tão pequena que nem na minha mão  cabia kkkkkkk. Gritei para ela para saber se ela tinha me dado a sacola certa mesmo, poderia ser a calcinha dela já  que estava sem, mas ela disse que sim, era para mim. Acabei o banho, respirei fundo e então vesti aquela calcinha, nem cabia direito, quando vesti e me olhei no espelho, meu pau explodiu  de tanto tesão que senti na hora, minha bunda  já é meio grande rs, ficou maior, durinha  e empinada, ficou gostosa, eu comia kkkkkk. Meu pau ficou tão  duro que não  cabia na calcinha. Então  vesti meu roupão e subi. Ela já estava na banheira cheia de espuma, nua, com uma taça de vinho tinto na mão. 


Hummm, vem cá, tira esse roupão  devagarinho, deixa eu ver se você  obedeceu sua esposinha cadeia. 


Tirei o roupão e fiquei de costas para ela, passava a mão na minha bunda, dava tapas, mordia. Ela ficou louca. 

Nossa que delicia, que tesão, olha essa bundinha, ai que delicia, hummmm, ficou perfeita, fica de quatro, dei a eu ter uma visão  melhor. 


Então  eu fiquei de quatro para ela ainda fora da banheiro,, ela se levantou e simulou que estava metendo em mim, segurou na cintura, pegou no meu cabelo e vazia o movimento mais forte. 

 Aí que delicia  olha como essa calcinha em você, nossa vou te chamar de putinha,  vadia,  minha, delicia. Posso amor te chamar assim? Deixa? 


Ela falava com a voz gemendo, simulando que estava me fodendo, batendo na minha banda. E eu, excitado, louco de tensão, quase gozando. Que loucura. 

Pode amor, hoje eu sou seu, ou melhor, sua, toda sua, sua putinha. Vem me fode, me come. 


Humm  que bom que falou isso, vamos descer, vamos para cama, tenho mais umas surpresinhas. 


Descemos, ela mandou eu deitar na cama de bruços, com o travesseiro por debaixo do meu pau, fazendo que eu ficasse todo empinado para ela. Ela chupava minha bunda, foi tirando o fio dental devagarinho e passando a língua  no meu cuzinho, lambuzou todinho, enfiou a língua, e do nada começou a passar um dedo dela, ficou fazendo movimento por uns minutos, senti algo gelado no meu cuzinho, deveria ser gel, meu cu estava lambuzado, então  senti um dedo dela me penetrando, entrando, ela enfiou tudo. 

Aí que cuzinho gostoso, apertadinho, nossa que cuzinho… hummmm. Que delicia. 


Nossa amor, que gostoso isso, continua, me come, esta gostoso. Quero mais. 

Ela manda eu vestir a calcinha novamente e manda eu ficar de quatro, mas de frente para ela. Me venda, pede para esperar um pouco, quando sinto um pau na minha boca, ela tira minha venda e vejo ela vestindo uma cinta com um pênis, não muito grande nem muito grosso. 

Olha isso aqui sua putinha, isso aqui é  para você, todinho para você. Abre a boca e chupa esse consolo, vai putinha. 

Ela segurou com as duas mãos no meu cabelo e me fez chupar  aquele consolo, e eu chupei, chupei muito, babei, lambuzei ele. 


Isso, além de corno é  viadinho, putinha, que delicia. Chupa  todo, isso baba seu safado, baba nesse pau, eu sei que você gostou de chupar  o pau do Ro aquele dia, vi que você ficou com tesão, eu também fiquei. Agora chupa essa rola. 


Chupei, chupei e ela me batendo, puxando meu cabelo, até que…

Vira, vai, vira logo. 


Amor, calma, vai devagarinho, também, está gostoso mas nunca fiz isso. Rs. Devagarinho  


Cala a boca sua putinha. 


Ela baixou a calcinha que eu estava usando, encheu meu cu de gel novamente, começou com o dedinho, passando o dedo, depois enfiou um, dois. Já  estava doendo um pouco, mas estava muito  gostoso, muito tesão, ela colocava um, tirava  colocava dois  tirava, até que do nada ela tirou os dedos colocou o consolo na entrada do meu cuzinho, quando iria iria falar para ela enfiar devagar, ela enfiou, todo, todo mesmo, uns 14 centímetros de rola dentro do meu todo de uma vez, para não gritar, me fazer de macho kkkkk coloquei a mão  na boca, que dor, que pau caralho. 

 Aí amor, nossa, calma, vice enfiou tudo.. calma. Não  vou aguentar. 


Cala a boca, sei que você  aguenta, toma aqui. 


Ela começou a bombar no meu cuzinho, segurou na minha  cintura, e bombava, no início devagarinho, depois ela sentiu que eu comecei a rebolar, então  ela foi mais agressiva, bombava, bombava, naquele momento a dor já tinha ido embora, era só  prazer, comecei a rebolar no consolo dela  fiquei de quatro para ela, ela enlouqueceu, batia na minha bunda, me arranhava, gritava. Gozava. Ela foi ao máximo, eu também.  


Ela tirou o consolo do meu cu, e chupou  meu pau até eu gozar na boca dela, com ela se masturbando e gozando também.  Foi demais, eu peguei ela joguei na cama, quando coloquei minha buceta dela parecia que ela tinha jogado creme se tão molhada, excitada, gozada ela estava, foi sem palavras ver que ela chegou aquele nível  de tesão, enfiei minha mão  todinha dentro dela, entrou fácil, senti ela gozar na minha mão, gozar e gozar… que maravilhoso. 


E foi assim que percebi que eu bissexual. Adoro uma buceta, mas também amo uma piroca.  


Beijos e abraços  do   Moreno Discreto  


Desculpa por alguns erros e etc, texto escrito por celular. 

                                


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto