casos ao acaso, estranhos casos

Publicado por: herege em 08/02/2021
Categoria: Fetish
Leituras: 319 / Votos: 0 / Comentários: 0
Pedro cachaço, um negro de um metro e noventa, criador de porcos, tinha sua chácara a dez quilômetros da cidade , vivia da venda de carne para os moradores, mal encarado taciturno era de poucas ´palavras acostumado sua solidão tinha poucos amigos .
Somente aceitava visitas de quem viesse negociar seus suínos, até o dia que Carol que fazia sua caminhada pela estrada entrou em seus domínios pedindo um copo d/água , poucas pessoas conseguiam tirar um sorriso dele, ao servir aquela jovem, ele estava sorrindo completamente encantado com sua formosura, aos dezesseis Carol   era um verdadeiro encanto.
Os cabelos amendoados, sobrancelhas marcantes, que definia um rosto angelical com seus olhos castanhos penetrantes seios volumosos para sua idade ,trajava uma apertada    micro blusinha que parecia fazer seus peitos saltarem, o short de lycra definia uma bundinha arrebitada , marcando a bucetinha que pelo contorno seria maravilhosa as coxas grossas de pele dourada, Pedro teve uma ereção repentina que marcou sua calça larga de uma cor indefinida pela sujeira .
Ao sentir o olor adocicado do perfume que exalava do corpo juvenil da mocinha, e como dizem que os opostos se atraem , Carol se embriagou com o cheiro do suor misturado com   o cheiro de excrementos que impregnava   o local.
Maliciosa fitou de soslaio o volume entre as pernas do velho cachaço, agradeceu e ia se retirando, quando num impulso ele estendeu sua mão , que tocou a dela , como por encanto ela fechou os olhos e ficou petrificada ,seu corpo arfava sua respiração estava entrecortada ele a puxou conduzindo-a para dentro do rústico casebre ela se deixou levar hipnotizada pela sensação que sentia como se estivesse embriagada.
Deu um débil gemido de protesto, quando a mão, áspera calejada percorreu seus braços, arranhando sua pele a deixando toda arrepiada , envolvendo-a num abraço apertado único para ele que nunca antes tocara uma fêmea como aquela deusa , seu pau pulsava ferozmente quando ela, num impulso, lambeu seu pescoço enfiou a língua na orelha dele , que deu gemido selvagem igual um animal ferido, o suor ,o cheiro do macho parecia atrair Carol a deixando igual uma loba no cio.
Ele acariciou o rosto dela percorreu suas faces e quase foi a loucura quando ela envolveu dois dedos seus e com deleite os chupava havida de prazer, ele os movimentava indo e voltando entre seus lábios, praticamente a jogou naquele imundo catre, deixando-a nua por inteiro ele já sem camisa não se deu ao trabalho de tirar as calças somente abriu a braguilha fazendo saltar aquele falo grosso imenso .
Carol admirou o falo envolveu-o com sua terna mão branquinha em contraste com   a ferramenta negra cabeçuda que tinha o formato de um cogumelo depois a haste longa comprida , sentiu medo e desejo tocando o caralho imaginando se conseguiria suportar todo ele dentro da sua bucetinha, deu um grito de protesto ao perceber que ele se preparava para a penetrar sem nenhuma preparação apesar que sua bucetinha estava lubrificada escorrendo seus fluidos.
Sentiu aquele cabeção enorme entre seus lábios vaginais abriu ao máximo as pernas em forma de um vê ,gemeu chorosa ao sentir aquela penetração ate mesmo lhe parecendo ser sua primeira vez, Os pentelhos ásperos misturados com os seus faziam ela sentir a penetração total funda tocando sua alma.
sentiu-se realmente arrombada de verdade como se agora ela estava deixando de ser virgem, parecia mesmo que ele estava rompendo seu hímen quebrando seu lacre , seus fluidos misturavam-se com o sangue que escorria da sua rasgada buceta uma dor aguda era sentida mas o prazer de ter seu canal vaginal apertando o corpo do cassete que estava dentro dela a levava a loucura seus gozos eram copiosos arrepiantes trépidos a levando a um delírio sem igual seus orgasmos eram infinitos seguidos lascivos, o ritmo acelerado animalesco que ele a possuía eram alucinantes , ele estocava   forte fundo seguidas vezes acelerado a levando a um misto de prazer e loucura .
Por três vezes ele já gozara mas não tirava a pica de dentro dela, continuava a entrar e sair daquela buceta como   um demente dando urros seguidos animalescos fazendo jus ao apelido de cachaço , uma imensa mancha marcava o velho colchão surrado entre a bunda dela porra sangue e a seiva que escorria da sua buceta, umedecendo seu rabo, como uma cadela no cio ela se sentia engatada no caralho sua cabeça girava tremores percorriam todo seu corpo que se contraia como se também recebesse choques elétricos aos poucos sentiu desfalecer num rito de prazer nunca antes sentido seus orgasmos percorriam seu corpo como faíscas lhe provocando choques elétricos   , a pica continuava castigando suas entranhas Carol sentia um prazer doentio sádico safado como nunca tivera antes , recobrava aos poucos os sentidos e seus gozos eram intermináveis.
Tremores arrepiavam seu corpo ,como se ela estivesse febril, alucinada por um estranho prazer nunca antes sentido, seu peito arfava, sua bucetinha mamava o pau dele como uma boquinha faminta, aquela era uma sensação única, e Carol sabia que voltaria mais vezes para desfrutar o caralho daquele macho.


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto