os demonios da luxuria

Publicado por: herege em 12/02/2021
Categoria: Incesto Hetero
Leituras: 675 / Votos: 1 / Comentários: 0
Eu mais seis amigos , nos reunimos na minha chácara, todos os sábados para, jogarmos poker.
Somos um grupo de viúvos, ou quase pois dois deles são divorciados, e somos muito entrosados , cinco jogam e dois cuidam da churrasqueira, das bebidas vamos nos revezando a cada duas horas.
Depois que fiquei viúvo, esta tem sido minha diversão, pois pouco saio de casa, e perdi o convívio social, só mesmo nos sábados, é que me encontro com pessoas, e já vivo esta rotina a três anos.
Até que num belo dia minha filha resolveu aparecer, pois eu não a via desde que perdi minha esposa, sua mãe a três anos.
Logo notei que Carol estava com algum problema, e indaguei sobre o que estava acontecendo.
Foi então que ela teve uma crise de choro e falou que sua vida estava uma bosta , pois após sete anos de casada não conseguia engravidar, e seu marido estava frustrado e a cobrava muito, a deixando deprimida, pois ela também em muito desejava ser mãe, mas que agora ficara insuportável , o comportamento dele. Então ela resolveu vir ficar um tempo comigo para relaxar pois estava passando por uma forte crise emocional.
Eu tentei acalma-la, disse que isto sempre acontece, quando se completa sete anos de casados, a famosa crise dos sete, até mesmo brinquei para descontrair.
Eu estava em pé na sua frente enquanto falava e notei que ela olhava fixamente para minha virilha, não sei precisar o por que, mas   eu tive uma ereção instantânea ,involuntária ,quando senti seu olhar , não pude controlar juro por todos os deuses, eu que nunca tivera de forma alguma um olhar se quer de malicia de desejo para ela, e agora eu ostentava toda aquela protuberância que ainda se destacava mais, por eu estar somente com aquela larga bermuda .
Por mil demônios, aquilo era algo insano doentio pecaminoso, mas me pareceu que ela passava a língua nos lábios admirando o que estava vendo.
Foi só um milésimo de segundo tudo isto , minha sanidade voltou ao normal , e me virei disfarçando dizendo que iria preparar um café.
Carol permaneceu sentada calada absorta em seus pensamentos, e eu daria um braço para adivinhar quais seriam eles.
Creio que minha abstinência sexual, que já durava quase   quatro anos, fora o que causara todo aquele constrangimento que eu passara, fora meus instintos sexuais que foram despertados involuntariamente pois a muito eu não sentia o perfume de uma fêmea, o calor de um corpo feminino, e fiquei com um sentimento de culpa pois quem estava ali comigo era minha própria filha.

Sou suspeito para falar, mas Carolina possui uma rara beleza com seus cabelos cor de milho, seus lábios carnudos, os olhos amendoados e sua pele alva, seios grandes e um corpo escultural, com seus vinte e cinco anos, minha filha linda e maravilhosa.
Tomamos café silenciosos , ela me encarava, mas eu desviava os olhos.
Recolhi a louça e fui ate a pia, meu pau continuava duro como rocha, eu estava ensaboando uns copos quando silenciosamente ela se aproximou e ficou me abraçando se esfregando nas minhas costas seus braços envolviam meu tórax, ela me dava suaves beijinhos atras da minha orelha, seus seios estavam comprimidos contra meu corpo, ela ficava murmurando palavras de carinho .
Senti ela tocar no meu pau levemente, eu estava possesso, quando fiquei de frente para ela, eu a envolvi nos meus braços ela se apertou contra meu corpo, timidamente baixou o rosto escondendo-o no meu peito , me apertou contra si mesma eu senti que meu pau roçava sua barriga, ela não resistiu e o apertou em sua mão, percorreu toda a extensão do meu pau e murmurou ofegante.
-QUE DELICIA, QUE GOSTOSO , NOSSA COMO ELE É GRANDE PAI.

Eu queria dar um basta, naquilo , mas não conseguia articular uma só palavra, sentia a respiração dela acelerada, percebia nitidamente, as batidas do seu coração, eu estava petrificado estático sem mexer um musculo se quer.
Em quanto ela atrevida enfiara a mão por dentro da minha bermuda, e manuseava o cassete, dei um abafado gemido sentindo o contato da mão dela.
Ela de súbito se ajoelhou , puxou minha bermuda deixando caralho saltar em riste na frente do seu rosto, elevou suas ternas mãos ate meus mamilos, e beijou minha glande que estava umedecida pelo meu pre gozo, sorveu com deleite, então ela ergueu os olhos , me fitando parecendo dizer que aprovava o sabor do meu caralho , cerrou os olhos, e mamou com sofreguidão.


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto