os pecados da mente parte1

Publicado por: herege em 20/08/2021
Categoria: Fetish
Leituras: 175 / Votos: 0 / Comentários: 0
Dizem que existe muito mais pecados entre a terra e o céu do que se possa imaginar. então estes são
Os pecados da mente.
Carol uma meiga menina se encantou com o loiro Alberto, num encontro casual, na igreja onde ela fazia parte do coral , foi uma paixão avassaladora um rápido , e como ela queria casar virgem marcaram o casamento com a autorização dos pais , já que ambos estavam enamorados e o libido aflorava, e Carolina sentia seus desejos aflorar no auge dos seus dezesseis anos .
Realmente ambos estavam cheios de desejos, e a união foi realizada no primeiro sábado daquele janeiro , com uma festa maravilhosa , com a participação    de toda a comunidade.
Havidos para curtir sua lua de mel nem, bem acabou a festa, rumaram para uma casa de campo nos arredores da cidade , lugar romântico ,um verdadeiro paraíso incrustado ali no pé da montanha.
Na meiguice dos dezesseis anos Carol parecia, um ser angelical em seu vestido de noiva.
Adentrou a rústica mas confortável casa, que estava preparada anteriormente, toda decorada para o casal, apaixonado realizar seus desejos, que afloravam a flor da pele. Ela sentou-se sobre o sofá,   enquanto Alberto saiu para recolher as malas, fechou os olhos exalando felicidade sentiu a porta se abrir deu um grito apavorada ao ver Alberto inerte subjugado pelo homem enorme que o jogou quase sobre ela que apavorada perdeu os sentidos.
Não soube precisar o tempo que ficou desmaiada , ao recobrar os sentidos sentiu dores por todo o corpo , então percebeu que estava manietada sobre a tosca mesa, tendo os pés e as mãos amarradas aos quatro pés da mesa, com o corpo arqueado numa posição degradante, sua cabeça pendia pela borda, e bem próximo ao seu rosto ,Alberto imobilizado numa cadeira amordaçado tinha os olhos arregalados de pavor .
virou a cabeça para o lado, deparou com a figura gigantesca do negro ,com mais de dois metros de altura, braços iguais as coxas de Alberto ,pernas robustas ombros largos, um peitoral musculoso um olhar maligno, meio calvo com uma cicatriz na face direita uma figura amedrontadora. Que a mirava com um rito no rosto imperceptível se era de riso ou de fúria.
Então percebeu que continuava vestida com sua roupa nupcial, a maneira que estava deitada pois sua espinha ficava arqueada, lhe provocava muito incomodo as pernas abertas presas aos pés da mesa era degradante ao se dar conta ficou rubra de vergonha,
O pânico tomou conta dela ao ver o homem se aproximar de seu corpo, com uma reluzente faca na mão, deu um grito alucinado sentiu a cabeça rodar o pânico era tanto que lutou para não perder os sentidos pois em seus absortos pensamentos imaginava que para se manter viva não podia desfalecer.
Com uma paciência irritante o homem foi rasgando suas vestes ,cuidadosamente utilizando a faca afiada, até deixar ela somente de calcinha e sutiã e suas meias brancas presas a cinta liga.
Admirou as formas da mulher quase menina com um olhar insano , Alberto suava as bicas olhos avermelhados pelo choro, impotente pelas amarras que prendia seu corpo , mesmo que não assim estivesse, notadamente não seria páreo para aquele gigante.
Carol ergueu a cabeça pois o negro tinha sumido da sua visão suas costas doíam pelo tempo que estava em atrito contra a mesa, quando o viu novamente, ele trazia uma garrafa de conhaque na mão , bebericava lentamente, andando em redor da mesa , tirou sua mordaça fazendo gestos para ela ficar em silencio.
Ficou passando o gargalho suavemente sobre seus lábios ela meneou a cabeça num gesto de recusa e protesto , então pela primeira vez ele foi rude seus olhos pareceram faiscar apertou suas bochechas fazendo com que ela abrisse a boca e somente parou de despejar o liquido quando ela engasgou , deu dois tapas no rosto dela e voltou a massagear seus lábios com o gargalho tocou seu lábio inferior ergueu a outra mão num gesto ameaçador , sem dizer uma única palavra, Carol percebeu a ordem que lhe era imposta, abriu a boca e sorveu a golada oferecida, o gesto se repetiu várias vezes, ela sorvia as goladas sem ser ameaçada. Sentiu o aço frio da lamína sobre sua barriga sua respiração estava ofegante enquanto ele como um felino admirava sua presa exposta totalmente a sua mercê , seu olhar era sórdido e cruel.
Desnudou seus seios, se encantou com as aureolas rosadas, seus tênues biquinhos nunca tocados a pele alva de uma brancura impar, nunca vista antes por ele , tocou ate mesmo com ternura os seios desnudos da virgem Carol.
Afagou gentilmente com suas enormes mãos que cobriam eles por inteiro, levou seus dedos indicadores a boca os deixando úmidos pela saliva e somente com eles manipulou os mamilos , Carol sentia asco quase vomitou ele cheirava a suor um cheiro animalesco .
Ele tinha um auto- domínio sobre si mesmo impressionante e retardava a violação parecendo querer sadicamente que aquilo não acabace a torturando sadicamente.
Passou a ponta da faca pelo corpo dela que gemeu indefesa e sorriu satisfeito pois levemente sua pele arrepiou tomada pelo pânico.

Cortou a lateral de sua calcinha branca , se encantou com um leve montículo de pelos acobreados, delicadamente aparados , cheirou embevecido aquela réstia de pelos úmidos pelo suor gélido que ela transpirava, despiu-a completamente desprendeu uma das pernas das amarras percorreu com sua língua o umbigo parava para admirar aquela formosura se torturou a si próprio retardando o momento de tocar o que mais queria, lambeu suas pernas deslizou sua língua pelas coxas alvas Carol como uma estátua continuou inerte ante a indesejável caricia e arrancou forças nunca imaginadas para proferir uma única palavra.
PORCO

Foi então que subitamente ele fez um pequeno furo em sua virilha, com a pontuda e afiada faca, um misto de dor e medo, fez Carol gritar apavorada, fazendo um esforço enorme para não perder os sentidos.
Então cortou as amarras do braço direito dela, se concentrou na gotíca de sangue em sua virilha, sugou ferozmente dando grunhidos que amedrontavam a cada vez mais , então tocou a virginal gruta, lambeu delicadamente estalando a língua envolveu o clitóris   com seus grossos lábios sugou como um bebê faminto, até sentir ele crescer involuntariamente, percorreu a fenda introduzindo sua língua quase tocando o ímem da virgem ali exposta tinha as duas mãos percorrendo os mamilos, e a boca se concentrava em caricias profanas nos lábios vaginais.
Carol tendo uma perna e um braço livre, sentia-se mais confortável, mesmo que seu corpo ainda estivesse estendido como um arco, chorosa protestava, ante aquela forçada invasão , sem perceber saiu daquela inercia que estava, começou a sacudir a cabeça como se reprovasse o que começou a sentir pois ela percebeu que a língua daquele monstro estava chafurdando na seiva que escorria de suas entranhas em resposta aos estímulos que ele impunha a ela , sentiu que os bicos dos seios estavam entumecidos pontudos sensíveis a cada toque neles sentia arrepios percorrerem seu corpo deixando seus poros arrepiados.
Soluçou num protesto contra seu corpo, quando sentiu que mesmo contra sua vontade suas cadeiras ondulavam acompanhando o ritmo das linguadas em seu grelo sua buceta piscava babada pelos seus sucos, igual a de uma cadela no cio ,por instinto elevava o pélvis, como uma bateia peneirando a língua, que invadia sua cona transbordando os fluidos que ela exalava, seus cabelos estavam revoltos molhados de suor, sua cabeça girava histericamente, ela ria, chorava e gargalhava, ao mesmo tempo, como se estivesse possuída por algo demoníaco, fazia caras e boca olhava extasiada para Alberto ali a sua frente de olhos arregalados , implorando com seu olhar para que ele admirasse seu êxtase, descargas elétricas pareciam percorrer o corpo de Carol que alucinada tinha ORGASMOS seguidos, longos extasiantes, levando-a sentir gozos maravilhosos, intensos alucinados doentios ,deixando-a mercê dos mais sórdidos desejos, o cheiro animalesco do macho agora extasiava Carol ,que tal como uma serpente, serpenteava o corpo se esvaindo num prazer nunca sentido, ele sabia que a tinha sobre seu domínio deixou ela liberta das cordas que a prendiam sentou ela sobre a mesa procurou seus lábios com sua boca urrou de prazer quando introduziu   sua língua, que foi avidamente sugada por ela que enlaçava seu pescoço com seus braços entrelaçava as pernas ao redor do seu dorso, sentindo a protuberância do seu pau sobre seu corpo , ele tirou a camisa suada molhada exalando o cheiro de macho, ela lambeu seu tórax cheirando seu corpo num delírio insano parecendo mesmo estar em transe.
Ele tinha o controle absoluto sobre ela vendou seus olhos e ela aceitou extasiada , então se despiu completamente e colocou sua verga nas frágeis mãos dela que acariciou desavergonhadamente mesmo que desajeitada pois era a primeira vez que tocava um caralho mas os instintos bestiais a guiavam, mensurou o tamanho do falo, era enorme grosso tal como ela imaginava , sadicamente ele se colocou ao lado de Alberto fez ela se ajoelhar colocou o pau entre os lábios dela, deixou ela lamber beijar cheirar depois ajeitou melhor o caralho e começou docilmente entrar e sair da boca dela cada vez mais fundo lentamente mas seguidas vezes quando ela ja aceitava mais da metade da pica na boca ele a desvendou , então ela pode admirar aquele cassete preto cabeçudo enorme, tomou ele entre as mãos cheirou beijou sorriu, mamou igual uma bezerrinha sem se importar com o olhar de reprovação de Alberto, então alucinada dentro daquela noite Carol com o olhar suplicante a voz embargada de emoção chorosa insinuante languida e eroticamente depravada implorava .
ME FODE, ME FODE, ME FODE
O negro elevou o corpo dela sobre seus ombros e se dirigiu ao quarto de núpcias acariciando aquela bunda maravilhosa totalmente entregue Carol rolou sobre a colcha de cetim abriu as pernas e num murmúrio luxurioso implorou
VEM ,VEM ME COME ME COME.


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto