os pecados da mente final

Publicado por: herege em 27/08/2021
Categoria: Interraciais
Leituras: 41 / Votos: 0 / Comentários: 0
Até mesmo João calado estava abismado com o que estava acontecendo, ladrão estuprador, o negro que era mudo de nascença, nem em seus mais irreais sonhos, poderia acreditar naquilo que estava acontecendo.
Aquele ímpeto sexual, a degradação moral, a aceitação de Carol, era algo assustador, mesmo para uma pessoa como João calado, que nunca em suas andanças, conhecera ou soubera, que existiria uma fêmea, tão havida de prazeres, como aquela noivinha virgem que parecia ter um demônio no corpo . ainda incrédulo ele mal   acreditava que fora o primeiro a   violar ela em todos seus buracos .
A atração que ela estava sentindo pelo seu molestador, era algo inexplicável , e o que mais parecia estranho , era que Carol nunca fora tocada antes, nem mesmo pelo seu noivo, pois seu namoro fora sempre andar de mãos dadas com o noivo e esporádicos selinhos com todo respeito.
Mas Carol era um vulcão adormecido, que entrou em erupção, quando foi explorado e subjugado, e a doce e meiga menina aprendeu sentir seus prazeres, mesmo que com requintes de perversidade . Revelando-se uma ninfomaníaca misturada a um certo sadismo, que ora eram demonstrados, numa total submissão, outras vezes dominante, numa tara incontrolável.
Sentada na cama ela sorridente , tinha as costas apoiada na cadeira, onde Alberto se encontrava , admirando o pau preto brincando com seus pés masturbando o negro, que cascava uma laranja, embevecido na   beleza nua dela , sua pele branca alva como neve ,estava marcada por manchas arroxeadas, das mordidas e chupadas , alguns vergões avermelhados, também marcavam o corpo jovial daquela menina moça.
Quem visse as libidinagens de Carol não acreditaria, que aquela vadia estaria iniciando seu aprendizado sexual , seu comportamento era o de uma PUTA experiente e devassa, ansiosa para dar e receber os prazeres carnais.
Alberto ainda amordaçado , resmungava e se contorcia sentindo contato do corpo dela, que se virou, ajoelhou-se sobre a cama a suas costas , lambeu sofregamente seu pescoço fazendo com que ele tivesse arrepios ,e grunhisse, retirou suas mordaças e beijou como nunca antes tinham se beijado , foi um beijo luxurioso excitante cheio de cumplicidade. Sentiu um misto de vergonha e piedade ,ao notar a grande mancha sobre a calça dele, e havia nos olhos dela um mudo pedido de desculpas fitando os olhos lacrimejados dele.

Então num rompante ela desviou seu olhar para o negro que com o pau em riste, a chamou com os dedos, como se uma entidade tivesse incorporado nela, sua língua serpenteou entre os lábios seu rosto se contraiu num riso demoníaco ela gritou os mais sórdidos e sujos palavrões e bradou possessa implorando para ser fodida , chorou gargalhou e aos prantos, sentou na verga gemendo igual uma CADELA, rebolando subindo e descendo quicando na vara, sentindo seus orgasmos    percorrerem seu corpo como descargas elétricas tendo convulsões como se fosse uma epilética .   
Deu uma cusparada   em suas mãos, besuntou seu      anus com a sua própria saliva e sentou até sentir a aspereza dos pentelhos dele se esfregarem em sua bunda completamente em êxtase Carol cavalgava ora com o pau na buceta ora com ele no rabo, seus gozos eram seguidos luxuriosos insanos doentio, e ela já nem percebia por qual lado eles estavam vindo somente que vinham e vinham seguidos arrebatadores profundos intensos.

Após estes arroubos Carol desfaleceu saciada encolhida deitada numa posição fetal, adormeceu como se fosse uma menina levada , cansada das suas peraltices.
Alberto balbuciava palavras desconexas , babava uma baba espumosa que escorria pelo canto da boca o olhar estava perdido no nada ,como se ele estivesse completamente senil perdido em outra dimensão do tempo .
O negro um sujeito violento que tinha cicatrizes no rosto graças a brigas de faca ,com vários crimes nas costas principalmente por estupros, que sempre se gabava de nada temer , percebeu que estava na hora de se retirar , sentiu um aperto no peito por abandonar aquela receptiva presa, e como chegara desapareceu sem deixar rastos.
Três dias depois o casal voltou a sua rotina habitual ,após firmarem um pacto entre eles que nunca aqueles fatos viriam a tona, e tudo transcorria normal, mesmo que Carol percebia sua buceta umedecer toda vez que avistava um negro a sua frente, e ela poderia jurar que sentia o cheiro do macho a metros de distancia.
Mas após dois meses, um teste de gravidez confirmou as suspeitas dela, que apreensiva comunicou Alberto. Que por ser um homem religioso temente a deus, refutou a ideia de um aborto, coisa que também não passou pela cabeça dela.
Propôs saírem do pais e quando voltassem diriam a todos terem adotado a criança, e assim selaram um novo pacto entre eles.
Dez dias depois com as bençãos de toda a cúpula religiosa da igreja que frequentavam , o casal alçou voo em missão humanitária e religiosa, Carol não cabia em si mesma.
DESTINO AFRICA DO SUL   
   

   

   


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto