viagem insolita

Publicado por: herege em 09/09/2021
Categoria: Incesto Hetero
Leituras: 45 / Votos: 0 / Comentários: 0
Não encontro explicações, para o que ocorreu naquela noite, nunca em sã consciência , eu acreditaria que seria capaz de tal ato, também a conveniência , a aceitação dela, fora algo inusitado e incomum, não quero aqui fazer nenhum tipo de acusação, ou recrimina-la , pois quem tem que assumir toda a culpa, realmente sou eu, pois foi quem ousou, e a persuadiu para que se realizasse tal ato, se bem que se ressalte nada disso foi algo forçado.
E por mais que eu tente resistir cada vez mais estou propenso para que aconteça tudo de novo.   
O velho caminhão, do senhor Alaor, rodava pela estrada numa velocidade moderada, cerca de vinte pessoas cantavam louvores acomodados como podiam-na carroceria do veiculo que com a capota levantada deixava como um breu o recinto , seriam quase duas horas da madrugada, viagem seria demorada naquela velocidade.
Voltávamos dum simpósio religioso onde a temática fora sobre a valorização do ser humano.
Como a gente tinha muitos afazeres, nesta viagem veio somente eu e minha filha Carolina , ficando suas irmãs e seus irmãos na companhia da mãe.
Carolina é uma menina de dezesseis anos, que namora o filho do pastor, da nossa comunidade, e faz planos para casar daqui a dois anos com total apoio e bençãos de todos, pois minha jovial filha é uma das mais fervorosas, ovelhas da nossa comunidade.
   .
A volta seria longa e cansativa, rapidamente   se fez um silencio ensurdecedor   debaixo daquela lona na carroceria onde mesmo a noite o calor era abrasador
Carolina extenuada se acomodou como pode repousando a cabeça sobre minhas pernas deitada meio que encolhida.
Por mil demônios que habitam a terra, sem nunca ter passado, algo luxurioso sobre minha cabeça, pois nunca em momento algum da minha vida, eu já tivera um gesto sequer malicioso, sobre alguma das minhas filhas, porem algo se sucedeu quando senti o rosto dela se comprimindo no meu pau .
O calor do hálito quente, que exalava da boquinha dela, começou a me provocar, uma involuntária ereção, que tentei dissimular me mexendo, para melhor acomoda-la sem que ela notasse o que estava ocorrendo, mas o rosto dela ficou, ainda mais perto, praticamente sua boca ficou roçando meu pau.
Aquela estrada, em péssimas condições de trafegar, fazia o veiculo estar sempre dando solavancos , fazendo ela ir e vir ,de encontro aquela protuberância entre minhas pernas.
Por nenhum momento, ela demonstrou incomodo, era como se aquele calor, que exalava entre minhas pernas, a embriagava, pois o cheiro do meu sexo transbordava, nas suas narinas.
Foi simplesmente por instinto , por sentir aquela estranha sensação, que como autómato, afaguei seus cabelos, como se os penteasse com meus dedos entre- laçando, os , tive a nítida sensação, que nossos olhares se cruzaram, dentro da negritude da noite, mas a escuridão era enorme seria impossível se enxergar algo ali dentro.
Não posso precisar o porque , eu estava agora massageando os lóbulos das suas orelhas , ela com suavidade , quase imperceptível acarinhava meu peito, percorri as bochechas do seu rosto e também seu nariz , apertando-o carinhosamente.
Carolina deu um suspiro longo como se estivesse extasiada com minhas caricias , passei meus dedos por toda a extensão    dos seus lábios ,atrevida ela brincava , tentava abocanha-los, pareceu que ela umedecera eles com sua língua.
Com suavidade, forcei meu indicador entre eles , senti mais uma vez que ela me olhava intensamente, meu pau pulsou como se tivesse vida própria, quando senti que sua boca estava receptível naquela invasão   e já engolia meu dedo totalmente, mamando igual uma bezerrinha, em círculos, eu massageava o céu da sua boca, e isto parecia excita-la muito;
Ela sugava e tentava o prender entre seus lábios , então levei minha mão aos seus seios os acariciando desabotoei dois botões da sua blusa e toquei com suavidade o biquinho dos seus seios apertando-os entre meus dedos.
Eu afastei, meu dedo , de dentro da sua boca, um leve resmungo de protesto, escapou dos seus lábios, mas quando voltei com dois dedos entre eles, ela os sorveu gulosa , quase nos denunciando com um gemido abafado luxurioso, segurou minha mão , não permitindo que eu os retirasse lambendo-os igual uma cadela esfomeada .
Foi então que comecei a entrar e sair lentamente na sua boca , seus gemidos eram grunhidos abafados, temeroso que alguém percebesse o que vinha ocorrendo, as vezes eu fingia tossir alto , para disfarçar seus anseios,   com dificuldades, eu saquei meu pau, abrindo minha braguilha, e fui guiando a cabeça dela, que se virou de bruços ,sem tirar meus dedos da sua boca eu puxei seu rosto, até a base do meu pau, foi ela quem fez a troca dos meus dedos pelo cassete , quase me fazendo urrar de prazer quando ela abocanhou meu pau .
Com avidez, gulosa ela engoliu quase que na totalidade, o caralho, sentindo o cheiro de suor que deixara úmido meus pelos onde ela esfregava seu nariz e inalava o odor dos meus pentelhos, beijou a cabeça do pau, lambeu o pré gozo ,que fluía na uretra, sentiu o pulsar dele entre seus lábios.
Foi algo rápido mas muito intenso bastaram três ou quatro movimentos de sucção, e me vim dentro da sua boca, esguichando seis ou sete golfadas da   minha porra, todinha em sua garganta, que ela engoliu sem perder uma gota si quer, em êxtase eu fiquei forçando sua cabeça, enquanto meu pau ainda pulsava dentro da sua boca , carinhosamente ela ficou languida acariciando ele com sua língua até ele aos poucos ir diminuindo se encolhendo
Faltava pouco, para finalmente retornarmos para casa,   um sentimento de culpa, de luxuria me invadia, ao mesmo tempo, demônios povoavam minha mente um misto de dor e alegria invadia todo meu ser , o cheiro forte do sexo, impregnava aquele lugar.
Sorri para mim mesmo e era um riso sarcástico como nunca sorrira antes, quando ouvi uma das irmãs companheira de viagem   protestando sobre um cheiro forte e estranho que sentira por todo caminho de volta.




Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto