A putinha do Tio.

Publicado por: teca em 13/08/2020
Categoria: Fantasia
Leituras: 474 / Votos: 1 / Comentários: 1
A putinha do Tio.
Como era o único homem da casa, bonito, atraente e gostoso.
Fazia tudo para lhe despertar a atenção.
Fazia questão, de manhã colocar a mesa do café, passado e fresquinho.
Coisa que ele gostava, só que vestida com uma camisola.
Tão curtinha, deixando lhe ver, uma calcinha fio dental.
Atoladinha no rabo e os peitinhos, saltitantes sem sutiã.
Dava para notar seu embaraço, mas respeitando a sobrinha.
Não ia além das espiadas.
E eu ficava me mordendo, vendo tal garanhão.
Evitando por dogma, tamanho petisco.
Com uma bocetinha bem apertada, uns peitinhos, tamanho p, e durinhos.
Uma bunda bem absorvente, com uma vontade danada.
De ser penetrada pelo Tio.
Mas o que se a de fazer.
Acabou de tomar o café e me falou, que naquele dia.
Iria voltar do serviço mais tarde, por conta de um chá de solteiro.
A noitinha tomei um gostoso banho perfumado, coloquei uma camisolinha nova e bem transparente e assim que veio o sono, fui para sua cama me deitar.
Já era madrugada quando voltou, não era de beber, mas pelo barulho que fez ao entrar.
Acordei e deu para notar, ele bem alterado.
Escafedi em baixo das cobertas, fingindo que estava dormindo, aguardando o que iria acontecer.
Entrou no quarto, com uma toalha enrolada no corpo, que logo foi ao chão, só me notando, quando puxou as cobertas para si.
Olhou me, com os olhos esbugalhados, como um esfomeado.
Achando o que nem tinha perdido, virou de costa para mim.
E desabou num sono profundo.
Não me dei por vencida, o abracei e dormi agarradinha com meu macho.
Nesse dia não teve mesa de café, pois tinha que esperar ele acordar e ver a cena que montei, rasguei a calcinha, a alça da camisola arrebentada e uma grande mancha segundo eu.
Era de esperma.
Continuei agarradinha a suas costas e já era bem tarde quando acordou.
Tomou um susto, ao ver a cena.
E me acordou assustado, perguntando o que houve.
Perguntei se não se lembrava de nada, falou que não.
Ai, abri o jogo, falando que ele tinha me comido a força.
Até rasgando minha camisola.
Pediu mil desculpas, me tratando com mais carinho ainda.
Pedi para que chegasse perto de mim, o abracei e o agradeci.
Dizendo lhe, que nunca tinha gozado como naquela noite.
E lhe mostrei a mancha que ficou nas roupas de cama.
A parti desse dia, tornei me.
A sua putinha.
Teca.


Comentários

darksol em : 19/01/2021

Oi Teca como vai? Gostoso ler teu conto. Me adc. e-mail erosensu@gmail.com Beijos