Meu padrinho

Publicado por: pontog em 19/01/2018
Categoria: Incesto Hetero
Leituras: 5111 / Votos: 0 / Comentários: 0
Me chamo Lídia, tenho 23 anos, e o que resolvi contar me aconteceu quando eu tinha 18 anos. Sempre reparei que meu padrinho era um homem bonito. Nunca deixei de reparar no volume que ele tinha nas calças e reparei que sempre aumentava quando me via, e eu já era uma putinha nata!
Estávamos me uma viajem de família. Passamos a semana em um sítio com toda a família e na volta para a casa, tive que voltar no carro com o meu padrinho. Não que isso fosse uma coisa ruim, eu adorei o fato!
Nós ouvíamos a uma música e conversávamos. Como se obra do distino, o carro deu prego. Ele tentou ligar para alguém, mas estava sem rede, decidimos esperar um pouco, meu primo estaria passando daqui algumas horas e pediríamos ajuda para ele. Enquanto isso, nós conversamos, ele me perguntou como estava a escola, se eu já namorava e eu disse que não, mas que tinha experiencia com meninos. Ele perguntou que tipo de experiencias e eu disse que ele sabia do que eu estava falando. Ele ficou surpreso e perguntou:
- Seus pais sabem?
- Claro que não! E acho que você não vai contar né, titio?
O olhei e ele fez que não com a cabeça.
- Eu já devia esperar isso… Uma garota bonita assim…
- Você me acha bonita, tio?
- Acho sim!
- O quanto?
- Muito bonita! - Ele disse me olhando.
- O suficiente para eu te excitar?
Eu tirei o cinto de segurança e me virei para ele. Ele pareceu sem reação, mas depois disse:
- Sim…
Eu abri um pouco o decote da blusa e passei a mão nas minhas pernas, levantando um pouco a minha saia, deixando parecer a calcinha.
- Eu estou te excitando agora?
- Está!
Eu me aproximei dele e o beijei. Desci a minha mão até chegar ao seu pau. Senti ele duro através da calça e comecei a massageá-lo devagar. Ele suspirou.
- Você não devia fazer isso…
- Por que não?
- Eu sou o seu padrinho…
- E… Qual o problema disso?
Eu abri o seu zíper e abaixei a cueca, fazendo o seu pau pular para fora. Era enorme! Uns 18 ou 20 centímetros. Eu lambi a cabeça e depois o enfiei todo na boca. Fiz um boquete e ele começou a gemer, segurava os meus cabelos para que pudesse ver o meu trabalho no seu pênis.
- Chupa a minha bucetinha titio - Eu disse para ele o beijando.
Ele retirou o cinto de segurança. Eu me sentei e retirei a calcinha, abrindo bem as pernas. Ele se inclinou e começou a lamber a minha bucetinha. Eu gemia enquanto ele me chupava.
- Titio, deixa eu sentar no seu pau, vai…
Ele se sentou e eu me coloquei em cima dela. Ele posicionou o seu pau na entrada da minha vagina e eu sentei nele. comecei a cavalgar naquele pau enorme do meu padrinho. Eu gemia e ele dava tapas na minha bunda.
- Vai putinha! Faz o titio gozar, faz!
- Me bate mais! Bate na tua sobrinha putinha, bate!
Eu continuei a cavalgar até que eu chegasse á um orgasmo, ele continuou a me penetrar até que ele gozou.
Eu saí de cima dele e toda aquela porra escorreu em cima do seu pênis. Eu fui para o banco de trás e fiquei de quatro.
- Come o meu cuzinho, titio
Ele lambeu o meu cuzinho e depois começou a me penetrar. Eu pedia para ele ir mais rápido e mais forte. Ele continuava a me dar tapas e chegamos ao orgasmo. Depois ele me comeu em um simples papai-e-mamãe.
Foi uma das melhores transas que eu já tive.


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto