Meu filho, meu amante

Publicado por: tiozao em 12/01/2020
Categoria: Incesto Hetero
Leituras: 511 / Votos: 0 / Comentários: 0

Era um final de semana, estava retornando de uma semana de trabalho no interior, já eram quase 20 h e ainda faltavam cerca de 100Km para chegar ao lar.
Vejo de repente uma luz vindo contra meu veículo, tento frear, tudo escurece.
Acordo depois de alguns dias no hospital, meu filho ao meu lado. Lucio, com seus 25 anos, moreno, olhos verdes, cerca de 1,80, braços fortes, cabelos castanhos e curtos.
Sou Meire, 46 anos, branca, cabelos até os ombros, 1,70m 68 kg, olhos verdes também, seios médios, coxas grossas.
Moro com meu filho, sou divorciada, moramos em um apartamento em outro estado diferente do resto da família.
Fico sabendo do acidente, mas estava viva, isso era agora o importante.
Olho em volta e percebo meus dois braços imobilizados, Lucio me abraça, me beija.
- Mamãe, que susto você me deu, pensei que ia te perder.
Lucio me conta então o que aconteceu, na estrada, um caminhão atravessou a pista e bateu no meu carro, e, por muita sorte, estava viva.
Passaram mais dois dias e tive alta, ia para casa, com dois braços imobilizados, Lucio tirou licença no trabalho para cuidar de mim, eu precisaria de ajuda, e teria que ser meu filho, não havia outra opção.
Em casa meu filho me ajeitou na cama e foi cuidar de nossa alimentação.
Na janta, comida na boca, me alimentou e me deu os medicamentos, descansei.
Antes de dormir, Lucio escovou meus dentes, precisei fazer xixi, e, meu filho teve que me ajudar levantando minha camisola, baixando minha calcinha, após o xixi, tive que ensinar ele me limpar, e assim o fez.
Era meio constrangedor para ambos essa situação, pois precisava de sua ajuda, precisava tomar banho, usar banheiro etc.
Dia seguinte, acordamos, me trouxe café na cama. Em seguida ao café me ajudou ir ao banheiro, novamente me limpou, precisava de um banho.
Lucio me ajudou entrar no Box, cobriu meus braços com plástico para não molhar, me despiu toda, me deu um banho muito gostoso, mas percebi seu constrangimento ao lavar meus seios, minha xota e minha bunda.
Durante o dia, tudo transcorria normalmente, meu filho cuidou da casa e de mim, almoço, janta e etc.
À noite, hora do banho para dormir, disse a ele para não ficar constrangido, pois era sua mãe, e que se fosse ele faria o mesmo por ele.
- Mamãe, (disse ele), sabe o que é... Você além de ser mulher, é muito gostosa... Sei que é minha mãe, mas também é mulher, sou seu filho, mas sou homem...
Entendi de imediato sua preocupação e tentei amenizar.
- Filho, aconteça o que acontecer, ou seja, se ficarmos excitados, o que normal, vamos fingir que nada está acontecendo e digo que somos humanos, e como humanos é normal acontecer isso.
- Está bem mãe, vamos tentar...
Confesso que esse papo me excitou, mas nada comentei com ele.
Novamente, retirou minha roupa, me deixando nua, só depois colocou plástico nos braços, neste momento, pela situação sentia a buceta molhando.
Meu filho começou o banho, procurei ficar de olhos fechados e desviar o pensamento.
Sabia que ele devia estar de pau duro, mas procurei pensar em outras coisas.
Lucio me esfregava de um jeito diferente agora, primeiro perdeu um tempo um meus seios, e estes me entregaram, pois os bicos endureceram , em seguida desceu lavando a barriga e foi para as pernas, voltando em seguida para a virilha, tocou minha buceta, soltei um leve suspiro, mas abri um pouco as pernas e ele teve acesso total na minha pombinha e pôde lavá-la por completo. Ficou um bom tempo ensaboando, meu tesão estava a mil já, estava me segurando. Em seguida lavou minha bunda, me enxaguou me secou e me vestiu, sabia que também estava excitado, mas nada falamos.
Poucos dias se passaram e a situação estava complicada, ambos segurávamos o tesão, e ele no banho, agora praticamente me masturbava ,tocava meu clitóris, escorregava os dedos por todo o lábio, ia na entrada, dava uma leve penetrada com a ponta do dedo e voltava ao clitóris em movimentos circulares, o que me fez gozar em sua mão.
Eu imediatamente corei, e fiquei muito constrangida, desta vez ele procurou me acalmar, lembrando nosso primeiro papo, éramos humanos e, assim como ele estava excitado , ele tinha certeza que eu também estava.
Nada mais falamos, fui dormir, não sabia o que pensar ou falar.
Dia seguinte a regra veio, e tive que pedir ao meu filho então uma atenção especial na higienização da pombinha.
Lucio, muito solícito, trocava o absorvente com assiduidade, aliás, até demais, fazendo questão de me deitar, e limpava a buceta com lenço umedecido. Aquilo estava me deixando doida.
Acabei gozando em sua mão mais uma vez enquanto passava o lenço.
Uma vez a regra indo embora, durante um banho, sugeri que ele ficasse só de cuecas ou nu, pois ele sempre estava de roupas e ficava molhado.
Ele relutou e disse que ficava excitado, então usei nosso papo inicial para convencê-lo, e, assim o fez, ficando nu, finalmente vi seu pau, rosado, cabeçudo e bem grosso, com muitas veias.
Seu pau estava duríssimo, assim como minha buceta melada.
Durante o banho, meu filho ficava em pé de frente comigo, com aquele mastro bem próximo da minha buceta.
Desta vez, enquanto lavava minha buceta, e brincava com meu grelinho como vinha fazendo nos últimos dias,
Disse que meus pelos estavam crescendo e estavam espetando muito, (eu a usava carequinha).
Eu disse que precisava depilar, mas naquela situação não seria possível por minha situação.
Acabou de me lavar, me enxugou, e me levou nua para o quarto, me deitou na cama e disse que ia me ajudar a depilar a buceta, não me opus, e deitada como estava abri as pernas deixando a buceta bem exposta, seu pau estava duríssimo, e, de posse de um barbeador, uma toalha, uma pequena bacia e um pouco de sabão começou o processo.
Eu estava excitadíssima e ele também, e aos poucos ia me depilando e explorando toda a buceta. Terminando a depilação, ficou explorando para ver se não tinha mais nenhum pelinho e acabou enfiando um dedo, gemi alto, e meu garoto não aguentou, gozando e espirrando porra pra todo lado.
Rimos muito da situação e disse. – Sabe, esta é uma situação muito complicada, eu aqui nua, você também nu, eu aqui com braços imobilizados, frágil, se você quisesse poderia abusar de mim.
Dito isso, percebi seu pau endurecendo de novo, e, ele fazendo carinho na minha buceta disse.
- É verdade mãe, e, afinal você é muito gostosa, e deve estar a muito tempo sem sexo.
-É verdade filho, já faz alguns anos e ninguém é de ferro, fazendo que sim com a cabeça, e ele sem nada mais dizer , começou a me penetrar com os dedos, explorando minha buceta por dentro.
-Você me acha gostosa mesmo?
-Sim, você é um tesão. Disse, abaixando e beijando minha buceta.
Nada mais falei, soltei um grande suspiro, e senti agora sua língua me explorando, e passeando pelos meus lábios e clitóris.
De forma bem sem vergonha, ele ficou ao contrario de mim, sugerindo 69, colocou seu pau na minha boca, e pude sentir seu sabor e o restinho da porra da última gozada.
Seu pau acabou de endurecer na minha boca enquanto chupava, passando a língua na cabeça e explorando e saboreando, as vezes escapava da boca, e eu tinha dificuldade de abocanhar de novo então ele colocava de novo na minha boca.
Gozei agora com sua língua em minha buceta , que piscava por uma rola dura.
Nos chupamos por mais um tempo, e Lucio se posicionou entre minhas pernas, e lentamente foi penetrando minha buceta, só parando quando seu saco encostou em mim.
Começou um movimento frenético me fazendo gozar varias vezes no seu pau.
Não tínhamos como mudar muito as posições, então ficamos num papai e mamãe.
Meu filho me comia de forma frenética, fodendo com força, sentia a cabeça do pau batendo no útero.
Na hora não pensei, e meu filho gozou pela segunda vez, mas dentro da buceta, o que me preocupei , pois não estava tomando anticoncepcional já a um bom tempo.
Dormimos, e durante a noite me procurou de novo, me comendo com muita vontade de novo, e novamente gozando dentro.
Dia seguinte, conversamos, e decidimos que teria que usar camisinha daí pra frente por um tempo e eu voltaria a tomar o anticoncepcional.
Ele então sugeriu um anal sem camisinha, pois anal não teria problemas, neguei, pois nunca tinha feito.
Não satisfeito, disse. – Dna. Meire, sabemos que você está frágil e não tem como se proteger, e, se alguém quiser, pode facilmente abusar de você.
Disse isso me colocando num canto da cama, eu dizia pra parar e ele não obedecia,
Rapidamente me deixou nua da cintura para baixo, encaixando seu pau entre minhas nádegas e forçando.
Senti uma dor descomunal e gritei, ele me jogou na cama, passou saliva e veio de novo, senti a cabeça me invadindo, muita dor, ele me segurou firme e ficou com a ponta do cacete dentro, aos poucos senti aliviar e sem dó ele foi introduzindo sua rola, e logo estava me fudendo como se fosse uma puta, acabei gozando com esse seu estupro.
A cada estocada sentia um mixto de tesão, agonia, dor, incomodo , ou seja, uma serie de sensações que até então desconhecia.
Ele gozou muito forte , me segurando pela cintura, enchendo meu rabo com sua porra. Fiquei dolorida por uns dois dias, mas no fundo foi muito gostoso, tanto pelo anal, como pelo sexo forçado.
Lucio passou a dormir comigo, me comendo sempre duas vezes por noite.
Passado um tempo, tirei o gesso dos braços e fiquei em liberdade, mas meu garoto teve que voltar ao trabalho.
A noite chegava e já corria me procurar com sua ferramenta dura, novamente, durante a regra quando veio, sem dizer nada, me agarrou arrancando a roupa me jogou na cama e novamente me estuprou, comendo meu rabo de novo e gozando muito forte outra vez.
Mas, desta vez, depois de gozar, me, pois de joelhos, segurando pelos cabelos, e com força me fazia chupar seu pau, fazendo engasgar por várias vezes, por minha vez, chupava, lambia e tentava engolir tudo, sentia o sabor do seu melzinho na boca, as vezes ele tirava e me batia na cara com a rola dura.
Me fez chupar até atingir seu gozo, fazendo eu engolir grande parte de sua gala, pelos cabelos me puxou e me levantou como uma puta, e beijou minha boca com seu sêmen ainda.
Me fez sua puta completa, seu pau me completa , é do calibre certo, me sinto preenchida por inteiro , não falta, e dependendo da posição até sobra um pouco.
Adoro chupar, rosado, grosso, com suas veias saltadas, cabeça protuberante, bem desenhada, adoro lamber seus contornos e como premio receber seu leite quentinho em minha boca.
Adoro receber sua língua em meu sexo, me deixando molhada, excitada, com gosto de quero mais.
Adoro sua penetração , seu ritmo, seu vai e vem...
Amo seu gozo, amo quando me pega a força... sou sua puta...
Somos amantes, amigos íntimos, cumplices.



Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto