Punheta com amigo

Publicado por: josecarlos em 17/01/2018
Categoria: Gays
Leituras: 12443 / Votos: 1 / Comentários: 0
Olá. Eu sou o Eduardo, mas me chamam de Edu. Sou branco, loiro escuro, olhos azuis, tenho 19 anos, 1,70 m e 57 kg. Tenho um amigo de infância, seu nome é Matheus. Ele tem a pele menos branca que a minha, cabelos pretos, olhos castanhos, 20 anos, 1,83 m e uns 70 kg.
Nós sempre estudamos na mesma turma, fato que fortaleceu mais ainda nossa amizade durante esses anos. Como estudávamos em tempo integral, costumávamos sair juntos pra ir almoçar fora. Sempre tendo boas conversas, papos bem íntimos muitas vezes.
Não somos afeminados, nem gays, nunca nem tínhamos vistos um ao outro pelados, no máximo só de cueca. Sempre dividimos os segredos mais íntimos, como das garotas que a gente era afim, sobre sexo, masturbação, enfim, coisa de garotos amigos.
Certo dia, quando conversávamos sobre o físico de cada um, decidimos por começar a malhar, pois somos magrinhos e queríamos crescer os músculos. Quando a nossa aula terminou, fomos lá pra minha casa terminar um trabalho e voltamos a falar sobre musculação.
Então decidimos por pegar uma fita métrica que tenho pra tirar nossas medidas; ficamos só de cueca, pra as medidas saírem mais exatas, pois não tinha problema porque eu estava sozinho em casa. Primeiro o Matheus tirou minhas medidas e foi anotando em um caderno; depois fui tirar as medidas dele e eis que ele faz uma pergunta inusitada, sem maldade: "Será que musculação também cresce o pau?".
Eu comecei a rir e disse: "Não, né. Na academia não se faz exercício pro pau. rsrs". E eis que ele faz um comentário: "Pois eu vou fazer agora exercícios pro pau. Mede o meu aí, por favor, pra eu saber depois quanto cresceu. rsrs". E eu, sabendo que Matheus é brincalhão disse: "Vai se ferrar, meu. Lá quero fazer isso em pau de homem.". E ficou por isso mesmo, no meio de risadas. Nos vestimos e voltamos a fazer o trabalho.
Quando a gente terminou o nosso trabalho, resolvemos por ver umas fotos de mulheres nuas na Internet. Percebi que o Matheus ficou bem excitado e acariciava o seu pênis. Eu perguntei o que era aquilo e ele me disse que tava de pênis ereto e com vontade de se masturbar.
Continuamos vendo pornografia e comecei a ficar excitado também, dando aquela vontade de se masturbar também. O Matheus percebeu também que um volume crescia na minha calça e ele perguntou também o que era aquilo. Respondi que tava de pênis ereto também e com vontade de me masturbar.
Como nunca tivemos vergonha um do outro, Matheus sugeriu de a gente bater uma ali mesmo, na frente do computador, vendo os vídeos de sexo. Eu falei que até poderia, mas cada um no seu pênis. E ele aceitou. Então o Matheus tira seu pênis pra fora e começa a bater uma; eu também tiro o meu pra fora e começo a bater também.
O Matheus, certo momento, olhava mais pro meu pênis do que para os vídeos e comenta: "Seu pau até que é bonito." E eu respondo: "Sai pra lá, macho. Mas obrigado mesmo assim.". Ele então pega a fita métrica que estava do nosso lado, sem eu perceber, e então mede o seu pênis e me disse: "Olha, deu 16,5 cm. Tá bom né? Mede o teu aí também.".
Eu fico meio que espantado com a situação e então resolvo olhar pro pênis dele sem disfarçar. Era de uma cor morena, da glande bem volumosa e um pouco rosada. Senti-me excitado vendo aquilo e ao mesmo tempo sem saber porque aquilo estava acontecendo. Sem saber muito o que falar, peguei a fita e medi o meu pênis; deu 15 cm.
Meu pênis é bem branco, com a glande avermelhada e não tenho prepúcio, pois fiz cirurgia de fimose ainda bebê. O Matheus resolve então comparar o pênis dele com o meu, encostando um no outro. Fiquei meio espantado, mas fui deixando. Ele então começou a esfregar os nossos pênis e confesso que estava gostando.
Aquele calor estava me excitando. Não falávamos mais nada; praticamente estava rolando tudo por ação do Matheus. Ele passa então a pegar no meu pênis e me masturbar. Comecei a gemer. Ele então pega na minha mão e põe em cima do pau dele, pra eu masturbá-lo também. Estávamos nos masturbando, um segurando o pênis do outro.
Gemíamos, ainda que tímidos. Quando ao menos percebo, o Matheus para de me masturbar e desce a cabeça pra me chupar. Nossa, que oral gostoso! Embora eu já tivesses recebido vários orais de mulheres, um homem consegue fazer melhor, pois ele sabe qual é a forma mais gostosa.
Eu comecei a gemer sem vergonha. Segurei na cabeça dele, pelos cabelos, e o empurrava pra chupar mais fundo e ele adorava, retribuía gostoso. Quando percebi que ia gozar, tirei meu pau da boca dele, pra gozar na sua cara. Ele não deixou, queria que eu o chupasse também.
Quis revidar, pois nunca tinha chupado nenhum pênis, mas depois de muito insistir, cai de boca e, modéstia parte, ele adorou. Fiz um oral gostoso nele e quando ele ia gozando, terminei o oral. Cada um voltou então a masturbar o outro, agora até gozar, encostando o pênis de um no outro. Nossa, que tesão! Gozamos quase que na mesma hora, caindo o jato de esperma de um na barriga do outro. Foi uma delícia. Gememos muito.
Ao final de tudo, não conseguíamos falar sobre o que fizemos, meio que assustados com a situação, pois era a primeira experiência homossexual que nós tivemos. Depois quebramos o gelo sobre o assunto e resolvemos não ligar pra aquilo, pois sempre fomos bons amigos. Desde desse dia, a nossa amizade se fortaleceu e a medida que o tempo passava, a nossa intimidade crescia, coisa que só conto depois.


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto