O cú do meu sobrinho!

Publicado por: josecarlos em 17/01/2018
Categoria: Incesto Gay
Leituras: 27629 / Votos: 2 / Comentários: 1
Olá, me chamo Marcos, sou moreno claro 1,75 de altura 85 quilos, cabelo curto, olhos cor de mel, sou um cara bonito, sou casado pai de dois filhos mas sempre tive uma tara por bunda de homens e vou contar algumas experiências minhas, vou contar a que acho mais excitantes e resolvi começar com a do sobrinho de minha mulher.
Leandro é seu nome, minha mulher é de uma família de morenos e uma de suas irmãs se casou com um negro e o resultado foram dois filhos lindos a menina se chama Luciana e o menino Leandro, ela negra e ele moreno jambo, ambos são muito bonitos, os vi crescer e por causa do parentesco acompanhei bem o crescimento e a adolescencia dos dois, sempre vi Luciana de camisola, baby doll, shortinhos, sempre bem a vontade ela sempre foi bonita e gostosa, mas, quem me chamava mais tenção era o Leandro, o vi crescer e se desenvolver, adorava o ver acordar só de sunga, ficava admirando aquela bundinha redondinha, conforme crescia ele ficava mais atraente, sempre tive um tesão enorme por aquela bundinha, mas, sempre mantive respeito, nós éramos muito apegados mas nunca havia me atrevido a tocar no assunto do tesão que sentia por sua bundinha.
Mas um belo dia surgiu a oportunidade, quando ele era garoto garoto eu sempre dava dinheiro para ele comprar pipas, lanchar e outras coisas, mas, desde que se tornou adolescente ele parou de me pedir dinheiro, até começou a namorar e um belo dia eu e minha mulher estávamos em sua casa visitando a irmã de minha mulher que é a mãe dele e num momento em que estávamos apenas eu e Leandro ele disse que queria levar sua namorada para fazer um lanche, só que estava sem grana, então fiz uma proposta:
- Posso te dar R$20,00, mas você terá que fazer algo para mim!
- Se for fácil e rápido até faço.
- Fácil é e rápido vai depender de você!
- O que é tio, to precisando mesmo dos R$20,00 contos!
Pensei um pouco se valeria a pena fazer a proposta, mas falei:
- Se você tocar uma punheta pra mim te dou os R$20,00!
Ele arregalou os olhos e retrucou:
- Tá maluco tio? Eu sou homem!
- Veja bem, você não vai deixar de ser homem, ninguém vai precisar ficar sabendo, vai ser só uma punheta e sempre que você precisar de uma graninha é só me procurar!
- Ah tá! Duvido que não vai querer comer minha bunda.
- Isso já é outra história.
- Não tio, estou fora!
- Veja bem, vais sempre ter um dinheirinho quando precisar e fica só entre nós!
- Ah tá, até parece que não vai contar pra todo mundo!
- Tu tá maluco? E meu casamento? Tu acha que vou botar tudo a perder?
- Sei lá tio.
Depois de muito insistir o convenci, ele veio meio tímido, tremendo, com as mãos suadas, abri minha calça e ele meio sem jeito pegou meu pau e foi punhetando:
- Isso, vai delicia, alisa meu saco.
Ele parecia estar tocando uma punheta nele mesmo e não demorou muito pra eu gozar, ele olhou assustado largou meu pau e saiu correndo, mais tarde depois de acalmarmos os ânimos o procurei e como o prometido o entreguei seus R$20,00, então eu disse:
- Amanhã sua tia vai para a igreja pela manhã, se estiver afim de ganhar mais um dinheirinho!?
- Que loucura foi essa tio? Nunca mais faço isso!
- Bom, está feito o convite, só depende de você!
No outro dia assim que minha mulher saiu para a igreja liguei para o Leandro dizendo que estava só em casa e o estava esperando com o dinheiro dele, ele no início disse que não iria, mas eu disse que estaria o esperando e que deixaria o portão e as portas abertos que era só entrar, me preparei para sua chegada pois sabia que ele iria, levei um vidrinho de lubrificante pro quarto e fiquei só de cueca na sala o esperando, alguns minutos depois escutei o portão se abrir e fechar, olhei pela janela e vi que era ele, meu pau imediatamente ficou duro como pedra então o recebi na porta e lhe dei um abraço bem forte e esfreguei meu pau nele que não mostrou muita resistência, entramos e sentamos no sofá e conversamos um pouco, ele não tirava os olhos de meu pau, então o coloquei pra fora e disse:
- Olha o que tenho pra você!
- Não tio, nem sei o que vim fazer aqui!? Acho que vou embora!
- Se você veio é porque está afim e além do mais ainda vai ganhar um dinheirinho!
- To precisando de uma grana mesmo, mas isso é errado tio.
- Não é nada Leandro, ontem não doeu nada não foi?
- Não, mas o senhor deve estar achando que sou gay.
- Não estou achando nada, só estou te dando uma grana e você está pagando do jeito que pode!
- Mas aqui é muito arriscado!
- Não é não, sua tia só volta depois do meio-dia!
- Ok, mas tem que ser rápido!
- Tudo bem, vamos lá pro meu quarto.
- Não tio, aqui na sala mesmo.
- Lá agente fica mais avontade!
- Aí você vai querer comer meu cuzinho?
- Se você estiver afim de me dar?!
- Claro que não tio, vai ser só uma punheta mesmo.
Fomos pro quarto, eu já estava nu e disse que ele deveria ficar também, ele relutou muito e depois de muita insistência consegui que ele ficasse só de cueca, deitei na cama e ele se sentou, eu disse que ele poderia se deitar também, mas ele insistiu em ficar sentado, então eu disse se ele não deitasse que eu não daria o dinheiro, ele se deitou, então ele concordou, mandei que ele se deitasse sobre minha barriga e ficasse com rosto bem perto de meu pau, puxei suas pernas e aproximei sua bunda de meu rosto, ele começou a punheta e fui alisando sua bunda por cima da cueca, ele não fazia resistência alguma, fui tirando sua cueca e ele deixando, peguei o lubrificante debaixo do travesseiro e melei seu cuzinho, fui aproximando meu pau de seu rosto, mas ele se afastava, comecei a alisar seu cuzinho então pedi:
- Leandro, da uma chupadinha no meu pau.
- Não tio, você falou que ia ser só uma punheta!
- Vai Leo, estou com o maior tesão que você me chupe!
- Não tio, isso não!
- Vai, te dou R$50,00.
Ele parou de tocar a punheta, ficou quieto e depois de alguns segundos disse:
- Isso não tio, aí você vai querer gozar na minha boca?
- Não vou não, quando eu for gozar eu aviso.
- Avisa mesmo?
- Claro, não sou maluco.
- Tudo bem, mas só essa vez!
Ele foi se aproximando e encostando a boca devagar no meu pau, logo estava me chupando e eu fazia o movimento de vai e vem como se estivesse metendo em uma xota e já com o cuzinho dele todo melado com o lubrificante fui introduzindo meus dedos nele o preparando para uma futura enrabada e já com o tesão a flor da pele sentindo que não demoraria a gozar comecei a tocar uma punheta nele também e a socar o dedo em seu cuzinho, o gemido dele abafado pelo meu pau em sua boca aumentou meu tesão, seu gemido aumentou de frequência e começou a tremer senti que ele iria gozar e soquei meu pau em sua boca, gozamos ao mesmo tempo, senti seu corpo tremer enquanto se engasgava com minha porra em sua garganta, fiquei me deliciando com essa gozada enquanto ele tentava cuspir minha porra, dei um beijinho em sua bunda e o mandei se lavar e em seguida dei seus R$50,00 e ele foi embora todo feliz.
As semanas se passaram e também muitas punhetas e muitos boquetes e nada dele engolir minha porra, sempre cuspindo fora, mas o melhor estava por vir, fiquei sabendo que seus pais viajariam no final de semana levando sua irmã Luciana e que somente ele ficaria em casa, seu pai me ligou pedindo para que ficasse de olho nele, que ele já era crescidinho, mas, que talvez ele precisasse de alguma coisa, eu disse que tudo bem e que até o levaria num futebol no sábado pela manhã.
No sábado bem cedinho peguei minha chuteira e meu meião e disse a minha mulher que iria buscar o Léo para ir ao futebol comigo, saí de casa, passei na farmácia, comprei umas camisinhas, lubrificantes e gel anestésico, fui direto pra casa do Léo, chegando lá seus pais já estavam de saída, perguntei por ele, me disseram que ele ainda estava dormindo, eu disse que o acordaria se não nos atrasaríamos para o futebol, eles então entraram no carro e partiram, me certifiquei que eles foram mesmo, esperei alguns minutos e vi que eles não voltariam, fui no meu carro peguei o kit tira cabaço e entrei na casa, me diriji ao seu quarto e o vi dormindo, só de sunga e de bruços, não resisti e na mesma hora fiquei de pau duro, tirei toda a roupa e me deitei em cima dele passando a pica naquela bundinha deliciosa e beijando sua nuca, ele acordou sorrindo e rebolando no meu pau, mas, por um instante ele se lembrou que estava em casa e disse:
- Meus pais!
- Eles já foram viajar, a esta hora já devem estar na estrada!
Então ele ficou aliviado e continuou rebolando, me deitei ao seu lado e dei um beijo em sua boca, peguei sua mão e levei em direção ao meu pau, enquanto ele me beijava foi alisando meu pau e em seguida foi descendo beijando meu peito e minha barriga até chegar em minha rola, se abaixou na beirada da cama e ficou me chupando deliciosamente, algumas vezes tirava meu pau da boca e chupava minhas bolas enquanto me punhetava e em seguida voltava a me chupar, após alguns minutos sussurrei:
- Não estou aguentando, vou gozar!
Ele abriu os olhos e me olhou, apertou meu pau com a mão, abriu a boca e colocou a língua na cabeça dele e ficou punhetando, entendi que ele queria uma gozada na sua boca fiquei doido de tesão e gozei gostoso enchendo sua língua de porra, ele então colocou meu pau na boca e continuou sugando retirando o resto de porra que ainda saía dele e engoliu tudinho e em seguida lambeu a cabeça dele e lambeu os beiços e logo em seguida se deitou na cama ao meu lado e disse:
- Estava uma delícia!
- Eu adorei, você não sabe o quanto esperava por esse momento!
- Demorou mas eu me acostumei, agora sei como isso é gostoso!
- Isso dá muito tesão na gente!
- Eu sei.
Dei um beijo em sua boca e o chamei para tomarmos um café e em seguida tomarmos um banho e foi o que fizemos, já no banho ficamos nos beijando e nos acariciando e meu pau já estava duro a muito tempo então Léo disse:
- Nossa, ele não descansa não?
- Quando estou com você não! Por que, não gosta de velo assim?
- Adoro!
- Então, por que está reclamando?
- Não estou reclamando, só estou admirado!
- Você ainda não viu nada!
Continuamos o banho e as carícias e em seguida peguei um aparelho e fui depilando sua bunda e virilha e seu saco o deixando lisinho sem nenhum pelo próximo ao cuzinho e assim terminamos o banho e voltamos para a cama, peguei o kit tira cabaço e coloquei ao lado da cama, nos deitamos e nos beijamos, então comecei a beijar seu corpo todo pescoço, peito, barriga, pernas e o virei de costas e continuei beijando seu pescoço, costas e bunda até chegar em seu cuzinho e pedi para que ele empinasse a bunda abrindo bem as pernas deixando aquele cuzinho lisinho bem aberto para mim, fui lambendo ele todo e enfiando a língua arrancando suspiros dele, o deixei bem melado de saliva, peguei o lubrificante e lambuzei tudo e fui brincando com os dedos com aquele cuzinho apertado e com a outra mão peguei em seu pau que estava duro de tesão e enquanto alargava seu cuzinho pra receber algo bem maior que meus dedos o punhetava e logo ele estava gozando, então vi que ele estava muito afim do que estava prestes a acontecer.
O virei de frente, seu coração palpitava bem acelerado, suas mãos tremiam, abri bem suas pernas arreganhando seu cuzinho e o perguntei:
- É isso que você está querendo?
- Como nunca tio!
- Não vai ter mais volta!
- Eu sei!
- Você vai gostar!
- Tenho certeza que sim!
Peguei mais lubrificante e lambuzei bem o pau e seu cuzinho, passei o gel anestésico em seu cuzinho, coloquei suas pernas sobre meus ombros e encostei a cabeça da rola na sua entrada e disse:
- Está pronto?
- Vem tio, essa é a hora!
Forcei a cabeça, ele fechou os olhos, senti meu pau rompendo suas pregas e a rola adentrando seu cuzinho, fui o penetrando lentamente com pausas e movimentos de vai e vem, sem perceber meu corpo já encostava no dele e então fui metendo mais rápido só que com bastante carinho Léo abriu os olhos e sorriu dizendo:
- Agora sou seu!
Aumentamos os movimentos ele então me pediu para o comer de quatro, o coloquei na beirada da cama o puxei bem empinando sua bunda abrindo seu cuzinho e meti bem gostoso dando algumas estocadas e gozando gostoso naquela bunda deliciosa. Nos jogamos na cama e ficamos ali deitados por algum tempo conversando, o Léo o tempo todo alisando meu pau que não demorou para endurecer novamente, então foi a vez dele pegar o lubrificante e lambuzar meu pau e seu cuzinho e sentar no meu pau e cavalgar, ele havia tomado jeito pra coisa mesmo, seu cuzinho engolia meu pau inteiro e novamente o joguei na cama e abri suas pernas e meti gostoso olhando sua cara de satisfação, fui alisando seu pau até ele endurecer na minha mão e fui metendo e o punhetando até gozarmos juntos, foi uma delícia, logo em seguida eu disse:
- E você disse que não queria!
- É que eu não sabia que era tão gostoso assim!
- E aí, vai querer outras vezes?
- É claro tio, já estou viciado em você!
Foi uma manhã deliciosa que passamos juntos e é claro que teve outras mas prefiro contar outros casos que aconteceram comigo, aguardem..
                                


Comentários

lucianoberta em : 15/11/2018

q