Minha prima sapatão

Publicado por: frano69 em 04/07/2019
Categoria: Incesto Hetero
Leituras: 838 / Votos: 1 / Comentários: 0
Olá caros leitores. A diversidade sexual é algo inerente a condição humana. Por este e outros motivos não tenho nada contra tem opção ou preferência sexual diferente da minha. Foi assim com a minha prima Elisa que nunca negou pra ninguém o seu gosto por mulheres, tendo sofrido muitos preconceitos pelo fato de se assumir sapatão. Estava de férias quando a encontrei e aproveitamos para colocar nossos assuntos em dia, pois sempre fomos muito próximos. É lógico que invariavelmente acabamos falando de sexo. Elisa mostrou uma expressão muito triste, já que, segundo ela, há muito não desfrutava da companhia de outra garota para matar suas taras. comecei a atiçá-la:
- Se você estivesse precisando de um homem não seria problemas. Estou aqui.
- Pois é, né. Podia até rolar uma transa entre nós, mas você não iria gostar.
- Por quê, garota?
- Pra ser sincera não sinto nenhum tesão de abrir as pernas para um homem e sentir um pau entrando e saindo de mim. Até tentei experimentar, mas só serviu mesmo pra me descabaçar, sangrou e doeu pra caralho. Depois disso, pica dentro de mim nunca mais.
- Mas as suas parceiras não metiam o dedo na sua xoxota?
- Sim, mas dedo é diferente. além disso uma chupada bem caprichada na buceta é que dá gosto a transa entre duas mulheres, entende?
- Ah tá. Também adoro um boquete.
- Sabe primo. Agente bem que podia ir pra cama, mas só pra se chupar.
- Quer transar comigo, prima?
- Só topo se for sem penetração.
- Tá falando sério?
- Pode apostar que estou. Vamos pro motel agora?
- Vamos.
Montamos na minha moto, saímos em disparada e entramos no primeiro motel que encontramos no caminho. Elisa é do tipo mulherão: alta (1,78m) seios fartos e um par de pernas incrível com um bucetão capuz de fusca de pêlos ralos. Adentramos ao quarto e de imediato tiramos nossas roupas e em questão de segundos estávamos nus. começamos fazendo o famoso 69. Logo seu grelo ficou completamente inchado e duro, enquanto se contorcia pedindo mais e mais para ser chupada. Seu boquete era tão maravilhoso que me fez gozar em menos de cinco minutos. Ela fez questão de engolir todo meu esperma. continuei chupando aquele imenso bucetão até Elisa explodir num gozo alucinante. Ficamos deitados extasiados trocando carícias leves. Elisa me disse que estava muito contente de ter feito amor comigo, do seu jeito é claro. Virou-se de bruços e pediu para que eu lhe fizesse uma massagem bem relaxante. Peguei um óleo e espalhei pelas suas costas, descendo até sua bundona carnuda e suas coxas grossas. Ela começou a soltar uns gemidos me deixando muito excitado. Passei a tocar de leve a porta do seu cuzinho a ponto de meter meu dedo indicador de leve. Pra minha surpresa ela não reclamou e perguntou se eu estava querendo comer sua bunda. Disse a ela que sim, mas o combinado era só chupação e nada de trepação. Elisa virou-se pra mim e disse: - Come meu cuzinho, mas só bota a cabecinha e bem devagar. Aproveita enquanto eu tô deixando. Me posicionei atrás dela e meti só a cabecinha bem devagar. Mesmo deitada de bruços ela se levantou ficando de quatro para facilitar a penetração e reclamou que estava doendo um pouco.
- Ai primo. tá doendo muito, mas não tira. Deixa dentro vai.
Beijei seu pescoço e acariciei seus belos seios, deixando-a mais excitada. Ela aproveitou e jogou o bundão pra trás fazendo meu pau entrar mais no seu cuzinho.
- Mexe aqui na frente. Coloca teus dedos bem aí no meu pinguelo. Assim, ah, ah, ah. Mexe que eu vou gozar.
A aquela altura meu pau já havia invadido todo seu reguinho. Num dado momento, Elisa apertou buceta contra meus dedos dando claros amostras que havia gozado com aqueles movimentos de bota e tira, pra cima e pra baixo dos grandes lábios da sua bucetona carnuda. Meu orgasmo também não foi menor: quando estava prestes a gozar ela pediu que eu tirasse da bunda e punhetasse na cara. Minha gozada foi quase instantânea. Dei-lhe um banho de esperma em todo seu rosto que sobrou algumas gotas até pelos seus cabelos longos e crespos. Depois desta nossa transa, Elisa ficou viciada em me dá a bunda, mas foder a buceta nem pensar. Porém, vou continuar insistindo. quem sabe um dia não rola uma trepada completa?


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto