Casada disponível para sexo total II

Publicado por: frano69 em 20/08/2020
Categoria: Hetero
Leituras: 443 / Votos: 1 / Comentários: 0
Olá amigos e amigas do mundo do sexo prazeroso e sem ressentimentos tolos. Aproveito este espaço para relatar o caso que tive com a Vânia (nome fictício) uma senhora casada liberada pelo marido broxa. Após descobrir por acaso seu trabalho por incomum de stripper master num clube privé da cidade onde morava, ela me propôs ser minha mulher na cama sempre, talvez no intuito de que eu mantivesse sigilo para seus parentes e amigos, principalmente seu casal de filhos que estavam entrando na adolescência. Segundo ela, seu marido não levantava mais nem em falso e fazia pouco caso se ela transasse com outro, desde que não fosse na casa do casal, afim de não chamar atenção dos filhos. Certa vez, Vânia me disse que vivia um casamento de aparências, ou seja, tudo de fachada para não queimar seu filme para a sociedade, pois sendo de família de Classe Média era de bom tom ficar longe de escândalos e outras saias justas.
Sempre que tinha uma vaga na sua agenda lotada, ela me ligava para irmos ao motel, cuja suíte master com banheira e tudo era seu espaço preferido. Numa dessas idas ao nosso ninho de sacanagem e perversão, Vânia finalmente fez um gostoso e sensual striptease só pra mim, me deixando mais excitado que o normal, me levando a se masturbar lentamente deixando meu pau duro como pedra. Quando ficou toda nua ela veio em minha direção e fez a famosa dança de colo, sentando e esfregando aquele bucetão no pau apontado pro teto, que chegou a entra só a cabeça, quando ela rebolava fazendo movimentos giratórios sobre ele. Aquilo foi demais pra mim. Gozei intensamente do lado de fora da sua buceta e ela aproveitou para botar meu pau pra dentro da sua xana já toda melecada da minha porra e ficou subindo e descendo para ver se mantinha meu pau ainda bem rijo penetrando sua vagina. Aproveitou para falar palavras de incentivo para não deixar a peteca cair, melhor dizendo, continuar fodendo bem gostoso até que seu celular que estava sobre a mesa tocou. De súbito, ela tirou meu pau de dentro da sua buceta e correu pra atender, me deixando literalmente na mão. Era o bolha do seu marido.
- Oi amor. O que houve?
- Não se preocupe que o cheque compensa amanhã, fica tranquilo. Tchau, beijo.
Aquilo cortou completamente o clima. Nunca vi telefonema tão desestimulante. Ela logo percebeu e veio me toda sem jeito tentando se desculpar:
- Puta que pariu. Aquele Mané vai me perturbar logo agora na hora do bem bom. Desculpa meu gato, se eu não atendesse ele ia ligando o tempo todo.
Fiz cara de bravo e fui relaxar na banheira de hidromassagem. Vânia veio até onde eu estava sentado na borda da banheira e fez uma massagem nos meus ombros. Fingi não se importar com aquela carícia de mulher safada após queimar o filme e frustrar transa de macho. Me abraçou por trás, colocou a língua na minha orelha, descendo suas mãos sobre o meu peito tentando se desculpar de ter interrompido aquela trepada gostosa.
- Amor não fica bolado comigo. Isso não vai acontecer de novo.
- Mas aconteceu, né. Como é que tu quer eu fique?
- Tem razão. Também iria ficar chateada, mas agora vou dar um jeito pra ninguém mais atrapalhar.
Pegou o celular que estava na mesinha do quarto e fez questão de desligá-lo na minha frente.
- Pronto. Tá satisfeito. Agora desamarra essa cara de emburrado e vem me foder.
Parti pra cima dela como um animal faminto: beijei sua boca, mordisquei seus mamilos, chupei sua buceta até ela gozar feito uma louca e a coloquei de quatro com seu corpo ficando parcialmente fora da banheira. Excitado depois fazer quase tudo que tinha direito, cravei meu pau no seu cuzinho apertado. Vânia protestou alegando que eu tinha que meter bem devagar e tava doendo muito. Continuei bombando forte e ela pedia em vão que eu fosse mais devagar, pois seu rabo era bem apertadinho.
- Ai, ai, ai, ai. Porra, tá doendo muito meu coração. Não faz assim comigo, não. Tá me rasgando toda. Ah, ah, ah. Cê tá me castigando é?
- Não. Tô comendo teu cu igual a qualquer macho tarado quando vê uma bunda dessas a disposição.
- Então me come. Me arromba toda de uma vez e não pára seu eu gritar. AAAAAAAAAAAAAIIIIIIIIIII, caralho. Isso dói demais. Que pica grande.
Bombei forte até gozar tudo dentro do seu cuzinho que ficou bem deflorado depois daquela metida louca. Meu esperma escorria junto com um pouco de sangue.


Comentários

Seja o primeiro a comentar nesse conto